Com cerca de 1,4 mil kg e 1,94 metros de altura, acredita-se que o animal de sete anos seja o maior boi da Austrália, país que abriga milhões de cabeças de gado.

Para efeito de comparação, ele tem quase o mesmo peso de um carro Golf (1.318 kg), da Volkswagen, e tem quase a altura do jogador de basquete americano Michael Jordan (1,98 metros).

E seu tamanho acabou sendo sua salvação. Quando Geoff Pearson, seu dono, tentou colocá-lo à venda em leilão no mês passado, os processadores de carne disseram simplesmente que não tinham a infraestrutura necessária para lidar com ele, devido ao tamanho - e, assim, Knickers escapou do matadouro.

Ele agora vai viver o resto da vida pastando no confinamento de Lake Preston em Myalup, 136 km ao sul de Perth.

"Knickers continua vivo", diz Pearson, que tem recebido ligações da imprensa local desde que a emissora pública de televisão australiana chamou a atenção para o "boi gigante" da raça Holstein-Friesian - significativamente mais alto que a média.

A postagem da rede de televisão no Facebook chegou a ter 23 mil compartilhamentos.

Knickers foi comprado inicialmente para ser "líder" do rebanho - gado que conduz os outros bovinos - com cerca de 12 meses. E é castrado.

"Ele sempre foi um excelente guia para os outros, um pouco maior do que o resto", diz Pearson. Embora "alguns de seus companheiros" tenham sido enviados para o abate ainda jovens, "ele ainda se destacava, então pensamos em deixá-lo lá, não estava fazendo mal a ninguém".

Mas, depois de um tempo, os pecuaristas "perceberam que ele não parava de crescer". E agora ficou grande demais para ser vendido.

Pearson - que possui cerca de 20 mil cabeças de gado - calcula que Knickers ainda tem alguns anos pela frente. Ele é um sucesso com os outros gados, que o seguem no pasto. Muitos gados são wagyu e marrom escuros. Knickers, que é preto e branco, se destaca ainda mais na multidão por causa de sua cor.

Por que 'Calcinha' e de onde veio esse nome?

"Quando ele era novo, logo que o pegamos, tínhamos um gado (da raça) Brahman que era amigo dele", explica Pearson. "O nome dele era Bra (sutiã)... então nós tínhamos bra (sutiã) e knickers (calcinha).

"Não imaginávamos que ele iria se transformar em uma 'calcinha grande'."

De acordo com o Guinness Book, o livro dos recordes, o boi mais alto ainda vivo é Bellino (da raça Chianina) - que tinha 2,027 metros de altura quando foi medido, em 2010, na Itália.

O Junior Barranquilla confirmou seu favoritismo em cima do Santa Fe e garantiu vaga na grande final da Copa Sul-Americana. Depois de vencer em Bogotá por 2 a 0 no confronto de ida, o Junior voltou a se impor na noite dessa quinta-feira e fez a festa da sua torcida com um placar por 1 a 0, cravando uma superioridade de 3 a 0 no agregado.

A vitória no clássico colombiano credenciou o Junior Barranquilla a ser o adversário do Atlético-PR. Na quarta, o Furacão despachou o Fluminense e se manteve vivo na briga pela taça.

A primeira final está marcada para o dia 5 de dezembro, em Barranquilla. No dia 12 o campeão será conhecido na Arena da Baixada, em Curitiba. É a chance de um título inédito para ambas as equipes. O Junior, aliás, fará sua estreia em uma final 

A vantagem que já era grande ficou ainda maior para o Junior com apenas 23 minutos de jogo nessa quinta. Téo Gutiérrez aproveitou cruzamento e, de barriga, mandou para as redes. O VAR foi acionado e apontou posição legal do atacante.

Dez minutos depois, a estrela do Junior de novo foi protagonista ao sofrer pênalti. Arboleda puxou Téo pela camisa e deu aos mandantes e oportunidade de ampliar o placar. James, Sánchez, porém, parou na defesa do goleiro Solís.

Os torcedores do Atlético-PR, a essa altura, já estavam conformados com o rival que teriam pela frente. Mas, de repente, um lance certamente fez muitos brasileiros vibrarem em Curitiba. Téo Gutiérrez, grande nome e capitão do Junior Barranquilla, acertou uma cotovelada em seu marcado e foi expulso de forma direta. Assim, o experiente jogador já é desfalque certo para a primeira final.

No segundo tempo, com um jogador a mais, o Santa Fe até apertou mais, criou algumas chances, reclamou de um pênalti. A situação, porém, era bem controlada pelo Junior, até que Fluentes resolveu atrapalhar Arboleda em uma cobrança de lateral. O árbitro novamente não titubeou e mostrou o cartão vermelho.

Nem mesmo com dois jogadores a mais em campo o Santa Fe conseguiu reagir. Pior, ainda teve Rodríguez e Guastavino Bentancourt expulsos. Com menos problemas do que poderia imaginar, o Junior se defendeu e esperou até o apito final para comemorar a classificação.

Fonte: Gazeta Esportiva

Dois pagaram fiança e um terceiro terá que cumprir medidas cautelares

O Poder Judiciário de Nova Andradina relaxou prisão dos três suspeitos de furtarem uma caminhonete GM/D20, com placas de Nova Andradina. Crime ocorreu na madrugada de terça-feira (27), em frente a uma residência localizada à rua São José, em Nova Andradina.

Ricardo Barbosa Martin de 35 anos, morador em Dourados, e Carlos Fischer de 40 anos, morador em Itaporã, são acusados de levar a caminhonete, onde foram presos em Angélica pela Polícia Militar e Civil. Um terceiro, identificado como José Cláudio do Nascimento de 47 anos, morador em Deodápolis, deu apoio aos ladrões e também foi preso naquela cidade.

Em Nova Andradina, Dr. Rafael Carvalho, delegado da SIG (Seção de Investigações Gerais), autuou em flagrante o trio por furto, furto qualificado com destruição de obstáculo e mediante concurso de pessoas.

O juiz Walter Arthur Alge Netto, relaxou a prisão em flagrante dos indiciados. Ricardo e Carlos Fischer, foi arbitrada fiança de dois salários mínimos cada um e aplicou medidas cautelares. Ambos têm o compromisso de comparecerem a todos os atos do processo e não se ausentarem da comarca por mais de oito dias sem autorização judicial, manterem o endereço atualizado e comparecer em juízo mensalmente.

Já José Cláudio, ficou advertido de manter o endereço atualizado e terá seus bens apreendidos restituídos, menos seu aparelho celular. Ainda segundo a decisão do juiz, foi deferido pedido de acesso e de perícia nos dados contidos no celular e autorizado a averiguação dos aplicativos de conversa e mensagens nele instalados, como WhatsApp.

Fonte: Jornal da Nova

Desde que Muricy Ramalho aceitou comandar o Flamengo, na renovação de mandato da atual diretoria, em 2016, o Flamengo não começa uma temporada com a primeira opção de treinador. A negativa de Renato Gaúcho, que nesta quinta-feira confirmou a renovação com o Grêmio, é mais um episódio que ilustra a dificuldade de planejamento para este cargo no clube. Mesmo com eleição nos próximos dias, o plano A das duas chapas favoritas naufragou. Abel Braga é o plano B, especialmente da oposição, e Dorival Júnior é reconsiderado e reavaliado pela situação.

O caso remonta ao fim de 2015, quando houve a promessa de que Jorge Sampaoli estava fechado com a chapa de Wallim Vasconcellos. Com a doença cardíaca de Muricy Ramalho, Zé Ricardo assumiu como interino e emplacou 2017. No no fim do ano passado, Rueda o substituiu, mas não seguir em 2018 ao optar pela seleção do Chile. O Flamengo começou a atual temporada com Carpegianni, que seria coordenador de futebol.

Este deu lugar ao novo interino, Barbieri, que foi sucedido por Dorival Júnior novamente em fim de temporada. O atual treinador, contudo, não era nem o plano B. Estava atrás de Renato e Abel. Agora, voltou a ser levado em conta, uma vez que Abel tem certa resistência de parte da torcida.

A frustrante negativa de Renato Gaúcho anulou a decisão das chapas de Ricardo Lomba e Rodolfo Landim sobre o treinador. Ambos davam o acordo como certo. Mas o uso político da possível contratação e a falta de autonomia pesaram para o treinador renovar com o Grêmio. Portaluppi preferiu manter-se próximo a uma diretoria em que confia e tem carta branca.

O técnico sabia que se ficasse manteria toda sua comissão técnica. E se viesse teria que trazer apenas seu auxiliar, Alexandre Mendes. A questão financeira não foi decisiva. O Grêmio conseguiu chegar próximo da contrapoposta feita por Renato, e o acordo foi selado, com promessa de reforçar ainda mais a equipe pelo presidente Romildo Bolzan, que tem mais um ano de mandato.

No Flamengo, o candidato da chapa rosa Ricardo Lomba não chegou a descartar publicamente a permanência de Dorival Junior por entender que ele pode ser uma opção de longo prazo se houver uma melhor gestão do elenco, para evitar problemas como o que o goleiro Diego Alves protagonizou. Com esse ajuste, o trabalho e os resultados pesam a favor. Por sua vez, Abel Braga, que já foi procurado ao longo da temporada e negou os convites, é opção.

Os membros da chapa roxa de Rodolfo Landim também não descartaram a permanência do atual treinador, mas há ressalvas. Até algumas semanas atrás, havia conversas mais adiantadas com Abel Braga, que devem ser retomadas em breve. A oposição chegou a fazer uma pesquisa junto a sócios nos últimos dias para saber quem eram os treinadores preferidos. Nela, citou Abel, Renato, Dorival e Vanderlei Luxemburgo. Este último, porém, tem poucas chances de retornar. A verdade é que o Flamengo começará 2019 sem o treinador dos sonhos. A eleição que decide o novo presidente é dia 8 de dezembro.

Fonte: Extra.globo

De 151 vagas, 68 ficavam em áreas com até 20% da população em extrema pobreza e 83 em Dseis

NATÁLIA CANCIAN - BRASÍLIA, DF - Desde a saída dos médicos cubanos do Mais Médicos, o município de Juruá, no interior do Amazonas, vive um cenário de alerta na saúde.

"Ficou o caos. Estamos mantendo o auxílio com base em enfermeiros e no único médico que temos, mas que também atende urgência e emergência e não pode ficar em tempo integral", diz a secretária de saúde do município, Nádia Teixeira.

Localizado a 24 horas de distância da capital do estado, Manaus, e com acesso apenas por barco e lancha, a cidade de até 14 mil habitantes tinha até esta quinta-feira (29) três vagas abertas no programa -e nenhum médico interessado em ocupá-las.

"Quando vi o edital, já sabia que sairíamos prejudicados. Todo médico que vem aqui só quer ficar por 15 dias ou com salários mais altos", relata.

Além de Juruá, outros 26 municípios ainda não tinham perspectiva de preencher todas as vagas após uma semana das inscrições.

Em comum, são municípios de mais difícil acesso e com maior nível de pobreza -fatores que acabaram deixando para que ficassem em último na escolha de profissionais.

Levantamento feito pela Folha de S.Paulo com base em lista do Ministério da Saúde mostra que, até às 18h desta quinta, todas as 151 vagas ainda disponíveis estavam em municípios de perfis 7 e 8 -considerados no edital como áreas de maior vulnerabilidade.

Deste total, 68 vagas estavam em municípios onde 20% da população ou mais apresenta situação de extrema pobreza, com renda inferior a R$ 89 mensais.

Já outras 83 ficavam em áreas de Dseis (distritos sanitários indígenas), que até então tinham a maioria dos postos ocupados por médicos cubanos.

Excluídos, dois municípios não tinham recebido nenhum médico interessado em ocupar as vagas: caso de Juruá e Jutaí, ambos no Amazonas.

Uma preocupação que se agrava com dados de balanço do Ministério da Saúde.

Apesar da corrida inicial por inscrições, desde segunda-feira (26), o percentual de vagas ocupadas no edital do Mais Médicos tem tido pouca variação -de 97% a 98%, o que mostra maior resistência em ocupar vagas nestes locais.

Para representantes das duas prefeituras ouvidas pela Folha, a distância em relação à capital e cidades maiores é o principal impeditivo para escolha das vagas.

"Desde que abriram as vagas, ao menos três médicos já entraram em contato comigo pedindo como era a distância", relata Kárita Mendes, secretária de saúde em Jutaí, cidade cujo tempo de deslocamento até Manaus varia de um a quatro dias.

Outro pedido tem sido por aumento: segundo Mendes, os mesmos três profissionais pediram por um pagamento maior -de R$ 11,8 mil, a proposta é que o valor subisse para R$ 20 mil a R$ 30 mil. "Mas não temos como pagar isso", diz.

Segundo Mendes, nos últimos anos, cubanos foram alguns dos poucos que aceitaram se fixar por mais tempo no local.

Sem outros médicos na atenção básica após a saída dos estrangeiros, unidades de saúde quase fecharam as portas.

A solução, diz Mendes, foi montar um sistema de "rodízio" com outros municípios até o fim do edital. Até esta quinta, porém, nenhuma das seis vagas havia sido preenchida.

MIGRAÇÃO

A dificuldade no preenchimento destas vagas, no entanto, contrasta com a alta adesão registrada no edital do programa.

Das 8.517 vagas ofertadas, 8.366 já foram ocupadas, segundo o ministério.

Balanço do Conasems, porém, aponta que essa adesão pode ter deixado ao menos outras 2.844 vagas abertas nas unidades de saúde.

O número corresponde ao total de médicos que já atuavam no Programa Saúde da Família antes de se inscreverem para atuarem no Mais Médicos.

Outra preocupação dos secretários está nos relatos que vem sendo recebidos sobre possíveis desistências de inscritos, informa Mauro Junqueira, presidente do conselho.

Em nota, o Ministério da Saúde diz que "está adotando todas as medidas para garantir a assistência dos brasileiros atendidos pelas equipes da Saúde da Família que contam com profissionais de Cuba".Segundo a pasta, vagas não preenchidas devem ser direcionadas a um segundo edital, previsto para ser lançado após 14 de dezembro, prazo final para que médicos inscritos se apresentem aos municípios.

Outra alternativa em discussão, informa, é a possibilidade de remanejamento dos médicos em atividade no Mais Médicos para outras localidades, como já ocorreu para atender a população em Roraima" durante o surto de sarampo."Outra iniciativa estudada é ampliar a participação de brasileiros com os alunos formados através do Fies (Programa de Financiamento Estudantil)", informa a pasta.

Para o ministério, o edital do Mais Médicos "tem mostrado que os profissionais brasileiros têm escolhido os municípios mais vulneráveis do país", uma vez que "apenas 17,3% escolheram vagas em capitais".

A pasta, porém, desconsidera que esse percentual corresponde o total de vagas ofertadas nestes locais -as primeiras a serem escolhidas no sistema. Com informações da Folhapress.

Fonte: Noticias ao Minuto

O resultado foi obtido mesmo após o ministro Luiz Fux pedir vista do processo

Por 6 votos a 2, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu há pouco validar o decreto de indulto natalino editado pelo presidente Michel Temer no ano passado. Pelo entendimento formado, o presidente da República tem poder garantido pela Constituição para elaborar os critérios do decreto e o Judiciário não pode revê-los.

O resultado foi obtido mesmo após o ministro Luiz Fux pedir vista do processo, fato que provocaria a suspensão do julgamento. A proposta de continuidade foi feita pelo ministro Gilmar Mendes, que votou a favor da validade do texto do decreto.

Além de Mendes, também votaram a favor da manutenção do texto a ministra Rosa Weber e os ministros Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio e Celso de Mello.

Com o resultado, os ministros derrubaram a liminar proferida pelo relator, ministro Luís Roberto Barroso, para suspender parte do texto do decreto. Na decisão individual sobre a questão, Barroso suspendeu parte do decreto de indulto natalino editado pelo presidente Temer por entender que o texto inovou e previu a possibilidade de indulto para condenados que cumpriram um quinto da pena, incluindo crimes de corrupção e correlatos, além de indultar penas de multa.

Pelo voto de Barroso, o indulto só poderia ser aplicado após o cumprimento de um terço da condenação. Condenados pelos crimes de peculato, corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa em penas superiores a oito anos de prisão também não poderiam ser beneficiados.

Em dezembro do ano passado, durante o recesso de fim de ano, a então presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, atendeu a um pedido da PGR e suspendeu o decreto. Em seguida, Roberto Barroso restabeleceu parte do texto, mas retirando a possibilidade de benefícios para condenados por crimes de corrupção, como apenados na Operação Lava Jato.

O indulto está previsto na Constituição e cabe ao presidente da República assiná-lo com as regras que devem beneficiar anualmente condenados pela Justiça. A medida também foi tomada nos governos anteriores. Com informações da Agência Brasil.

Fonte: Noticias ao minuto

O sonho do Flamengo em contar com Renato Gaúcho como treinador no ano que vem terminou nesta quinta-feira. O presidente do Grêmio, Romildo Bolzan, anunciou que clube e técnico chegaram a um acordo para renovar contrato por mais uma temporada.

"Eu e a direção estamos anunciando que chegamos a um acordo de renovação com o Renato”, disse o presidente.

Renato Gaúcho era o técnico favorito dos dois principais candidatos à presidência do Flamengo - Ricardo Lomba e Rodolfo Landim. O treinador teria o pacote financeiro de cerca de R$ 1 milhão para comandar o rubro-negro em 2019 e traria seu auxiliar, Alexandre Mendes.

Após ter em mãos ofertas das duas chapas do Flamengo, Renato se reuniu com o Grêmio nos últimos dias, através de seus representantes, e apresentou uma contraproposta. O clube gaúcho fez um esforço e conseguiu o acordo, selado nesta quinta-feira, após encontro do técnico com o presidente Romildo Bolzan.

  • O Renato acreditou no que o Grêmio dizia para ele e o Grêmio acreditava no que o Renato dizia ao clube. Esta, de hoje, foi a terceira ou quarta reunião, que matou o assunto, porque era uma vontade dele e também a nossa - afirmou o presidente.

Fonte: Extra

De acordo com a PM, ele se jogou na frente do veículo após o crime

Um homem, de 30 anos, é suspeito de matar a esposa e depois cometer suicídio se jogando na frente de um caminhão. Caso aconteceu em Florianópolis, Santa Catarina.

A mulher, de 27 anos, foi encontrada nua na última segunda-feira (26) pela mãe, a vítima estava com marcas no pescoço e trancada no quarto do casal. Os três filhos dormiam nos cômodos ao lado. A Polícia Militar (PM) foi acionada pela mãe da vítima

De acordo com o portal G1, a suspeita é de que o marido tenha matado a esposa e depois cometido suicídio, ele teria se jogado na frente de um caminhão na estrada SC-410.

O homem teria deixado um bilhete escrito à mão no quarto, mas o conteúdo não foi divulgado pela PM.

Fonte: Midiamax

As pessoas abaixo relacionados fizeram o Cadastro Único dos Programas Sociais do Governo Federal à aproximadamente 2 anos, e agora chegou a hora de atualizar este cadastro. Se você conhece alguma das pessoas abaixo relacionadas, por favor avise-a que ela precisa comparecer no CRAS com urgência, munida de seus documentos pessoais e de todos os integrante de sua casa. A Gerência de Assistência Social está desde de julho realizando a convocação desta pessoas, agradecemos seu apoio:

 

 

 

  1. Ageu Daniel de Souza
    2. Alzira Lina Rocha de Oliveira
    3. Antonio Batista da Silva
    4. Antonio Souto Rodrigues
    5. Avelino Paulino da Silva
    6. Cecilia Saraiva de Moura
    7. Celestino Schmoeller
    8. Claudeonor Carlos dos Santos
    9. Claudete da Silva Cardoso
    10. Claudineia dos Santos Silva
    11. Djonatan Hertes
    12. Dulcineia Celestina dos Santos Piassi
    13. Edicleia Cardoso dos Santos
    14. Elainde Rodrigues Ferreira
    15. Eliane Aparecida Mota
    16. Elisangela Dias dos Santos
    17. Ellen Cristina Teixeira
    18. Francieli Martins Dalto;
    19. Giceli Gomes Gonçalves;
    20. Hozano Luiz do Nascimento;
    21. Ivanete Genuaria de Souza;
    22. Ivone Rodrigues Alves;
    23. Izaquel Gomes da Silva;
    24. Jaqueline de Oliveira da Silva;
    25. Jessica Golombieski;
    26. João Alves Teixeira;
    27. João Antonio da Silva;
    28. José Oliveira de Souza;
    29. Katia da Silva;
    30. Leonice VAsques;
    31. Luana Nascimento dos Santos;
    32. Luciana Aparecida de Fatima Loterio;
    33. Lucilene Venancio Jorge;
    34. Lucilene Rodrigues Vanderlei;
    35. Marcos Aparecido dos Santos;
    36. Maria Candida Rodrigues;
    37. Maria Geni de Aragão;
    38. Maria Hilda Ribeiro;
    39. Maria Neide Barbosa.
    40. Marta Luiza Moreira;
    41. Maycon Gonçalves da Silva Miranda;
    42. Michelle Viviane de Souza;
    43. Nair de Lima Silva;
    44. Olga Alves Barbosa Munerati;
    45. Orlando Martins Marques;
    46. Roseni Epifanio de Oliveira;
    47. Rosimeire Farias de Aquino;
    48. Rosineide Menezes da Silva;
    49. Sidnei Figueiredo de Araújo;
    50. Sinezio Rodrigues de Souza;
    51. Solange dos Santos;
    52. Tatiane Barbosa de Oliveira;
    53. Tatiane da Silva Santos;
    54. Tatiane Fernandes de Souza;
    55. Valdina Ferreira de oliveira;
    56. Valeria Priante Barbosa;

Medida integra o acordo de delação premiada fechado na operação Lava Jato; decisão da Justiça Federal o lotaria na Casa da Criança Peniel

O senador cassado Delcídio do Amaral (PTC) prestará serviços comunitários na Casa da Criança Peniel, entidade voltada para o acolhimento de crianças vítimas de maus tratos e violência em Campo Grande. A decisão, expedida pela 3ª Vara Federal da Capital e divulgada em 30 de outubro deste ano, integra o acordo de delação premiada fechado pelo ex-parlamentar junto ao STF (Supremo Tribunal Federal) dentro da Operação Lava Jato.

Detalhes sobre a execução dos serviços, como dias, horários ou mesmo a função exercida pelo ex-senador no local não foram dados pela Justiça Federal ou pela entidade. Pela natureza dos serviços prestados, a entidade trabalha sob sigilo a fim de proteger as crianças e adolescentes que tiveram seus direitos violados.

Ato processual envolvendo a lotação de Delcídio na Peniel data de 30 de outubro, conforme o sistema da Justiça Federal, dando a ele prazo de sete dias para iniciar o cumprimento da cláusula do termo de colaboração premiada da Lava Jato, que prevê a prestação de serviços comunitários como forma de saldar eventuais débitos com a sociedade.

A 3ª Vara, presidida pelo juiz federal Bruno Teixeira, o designou para a Casa da Criança Peniel. No órgão, porém, a assessoria também explicou qual a atuação de Delcídio no local ou mesmo se ele já presta algum serviço. A fiscalização, feita por meio de planilha de horários e trabalho, fica a cargo do MPF (Ministério Público Federal), que em Mato Grosso do Sul não tinha informações sobre o início do cumprimento da prestação de serviços.

Lava Jato – Delcídio teve seu nome relacionado a fatos investigados na Lava Jato, como irregularidades na compra de uma refinaria nos Estados Unidos. O senador cassado foi preso durante a Lava Jato sob suspeita de tentar obstruir investigações, ao participar de um plano de fuga para o ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, cujo filho gravou conversa na qual tratavam da operação.

Neste ano, porém, Delcídio foi absolvido pela Justiça Federal do Distrito Federal, que questionou a acusação e pôs em xeque, inclusive, a delação fechada por Cerveró. O acordo de delação, que levou à liberação do ex-senador em 19 de fevereiro de 2016, depois de 87 dias preso, também previa a devolução de R$ 1,5 milhão aos cofres públicos e trouxe acusações contra, entre outros, os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff.

A acusação levou à cassação de Delcídio no Senado, em maio de 2016, e a absolvição deu início a uma corrida para o ex-parlamentar, agora no PTC, disputasse as eleições deste ano –ele acabou substituindo Cezar Nicolatti e teve duas semanas para realizar sua campanha. O projeto acabou barrado pela Justiça Eleitoral, que sustentou a validade da cassação pelo plenário. Mesmo assim, ele ficou em sétimo lugar, recebendo mais de 109 mil votos.

Na terça-feira, foi revelado que a Receita Federal apontou possível afronta de Delcídio em relação ao acordo de delação –já alvo de análise da PGR (Procuradoria-Geral da República) desde junho deste ano, por suspeitas de omissão ao prestar informações contraditórias–, por suspeita de cometimento de crimes que vão de corrupção a falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Entre eles, estaria a falta de comprovação de gastos com a festa de 15 anos da filha do senador, orçada em R$ 600 mil.

Fonte: Campo Grande News

Pagina 6 de 319

Salvar

Template Settings

Theme Colors

Blue Red Green Oranges Pink

Layout

Wide Boxed Framed Rounded
Patterns for Layour: Boxed, Framed, Rounded
Top