Redação

Estados que enfrentam surto da doença, como Amazonas e Roraima, são os que registram menor índice de adesão à campanha

O Dia D da campanha de vacinação contra sarampo e poliomelite acontece nesse sábado (18) e é uma boa oportunidade para os pais levarem os filhos até um posto de vacinação. Todas as unidades de saúde do Brasil, 36 mil ao todo, vão estar abertas para vacinar as crianças.

Até o momento, o Brasil vacinou 1,8 milhões de crianças, segundo o Ministério da Saúde, o que representa cerca de 16% da meta. Ainda faltam 9,4 milhões para o país bater a meta de imunizar 95% das crianças entre 1 e 4 anos — ou 5 anos incompletos.

Os estados com melhor cobertura vacinal neste momento, são Rondônia, com 45% para a pólio e 44% para o sarampo; seguido por São Paulo com 28,35% pólio e 27,91% sarampo.

As coberturas mais baixas são dos dois estados com o maior número de casos de sarampo, o Amazonas vacinou apenas 3% do público-alvo para pólio e sarampo. Roraima vacinou 5% contra a pólio e 3% contra o sarampo.

Por causa do surto de sarampo e da possibilidade de volta da polio, este ano a campanha acontece de forma indiscriminada. Isso significa que os pais e responsáveis devem levar as crianças, mesmo que elas ja tenham sido vacinadas em outro momento contra as doenças.

A campanha vai até o dia 31 de agosto.

Para a poliomielite, as crianças que ainda não tomaram nenhuma dose da vacina serão vacinadas com a Vacina Inativada Poliomielite (VIP). As crianças que já tiverem tomado uma ou mais doses receberão a gotinha (Vacina Oral Poliomielite - VOP).

PublicidadeFechar anúncio
Em relação ao sarampo, todas as crianças devem receber uma dose da vacina tríplice viral, independente da situação vacinal. A exceção é para as que tenham sido vacinadas nos últimos trinta dias, que não necessitam de uma nova dose.

Casos de sarampo passam de mil

Até o momento, foram registrados 1.237 casos de sarampo no Brasil. Quase 6 mil casos estão em investigação.

O estado onde mais pessoas contraíram a doença é o Amazonas: são 910 casos confirmados até o dia 14 de agosto.

Roraima confirmou 296 casos. Outros estados que também registraram casos de sarampo são São Paulo (1), Rio de Janeiro (14), Rio Grande do Sul (13), Rondônia (1) e Pará (2).

Em todo o país, seis pessoas morreram por causa do sarampo neste ano: quatro em Roraima e duas no Amazonas.

Tire suas dúvidas sobre a vacina do sarampo:

Como posso me proteger contra o sarampo? Receber duas doses da vacina contra o sarampo após os 12 meses de idade é a única maneira de se prevenir da doença. O esquema vigente do Ministério da Saúde para crianças é o de uma dose da tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) ao 1 ano de idade e uma da quadrupla viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) ao 1 ano e 3 meses de idade. Para quem não se vacinou no período, a tríplice viral é oferecida gratuitamente em duas doses até os 29 anos ou em uma dose dos 30 aos 49 anos. Os demais podem recorrer às clínicas privada

Fonte: R7

Mandante do crime era adolescente de 16 anos que também foi apreendida

Foi preso nesta quinta-feira (16) na cidade de Anadia, no Alagoas, o segundo suspeito de envolvimento na morte da travesti “Fernanda da Biz” com mais de 80 facadas, na madruga de 08 de julho, na estrada da Estiva em Rio Brilhante, cidade a 163 quilômetros de Campo Grande.

Alessandro dos Santos Barbosa, de anos 25, morava na Rua Expedicionário Hugo Gonçalves, na Vila Nova Esperança no município, mas fugiu para a terra natal no dia seguinte ao crime, segundo a polícia.

nadia fica a 98 quilômetros da capital de Alagoas, Maceió, e a cerca de de 2.993 quilômetros de Rio Brilhante. Alessandro agiu a mando de outra travesti, de 16 anos, que também foi apreendida, ainda no dia 20 de julho.

A adolescente confessou ter planejado matar a vítima por conta da disputa de um ponto de programas sexuais, próximo a um bar movimentado em Rio Brilhante.

A travesti também detalhou a participação de Alessandro que ao ser preso, negou ter envolvimento com o assassinato, mas como já estava com mandado de prisão preventiva decretado, está detido no Alagoas.

O crime

De acordo como delegado responsável pelo caso, Andre Luiz de Mendonça, a mandante do crime já acumulava passagens pela polícia e inicialmente de duas versões sobre o crime. Em primeiro depoimento ela disse que matou Fernanda, com ajuda de dois rapazes, que chegaram a ser presos, mas alegaram que a travesti estava querendo ”jogar a culpa” neles. Eles prestaram depoimento e foram liberados.

Durante as investigações, no entanto, a travesti admitiu a participação de Alessandro. À polícia, a adolescente contou que decidiu matar Fernanda depois que ela começou a frequentar seu ponto de programas na Avenida Lourival Barbosa. O local era próximo a um bar movimentado da cidade.

Na noite do crime, a adolescente convidou a vítima para irem usar drogas na estrada da Estiva como é chamada a região da cidade. A adolescente montou na garupa da moto da vítima e as duas seguiram ate a estrada. Ao chegarem no local, no entanto, a vítima foi surpreendida por Alessandro quem teria lhe esfaqueado.

Após as perfurações a travesti ainda dilacerou a cabeça da vítima com uma pedra. ”Estava com muita raiva dela” disse à polícia. Depois do crime os dois assassinos deixaram o local sem levar nada da vítima, ainda conforme o Rio Brilhante em Tempo Real. A adolescente foi encaminhada para a Unei de Campo Grande.

Fonte: Campo Grande News

X-governador foi condenado em processo da Farra da Publicidade

A Procuradoria Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul pediu para que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) indefira o registro de candidatura do ex-governador e deputado federal José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT. O documento foi juntado nos autos do processo de cadastramento na tarde de ontem (14) e é assinado pelo procurador Marcos Nassar. O político ingresso com registro para disputar uma vaga no Senado Federal.

Com base na Lei da Ficha Limpa, Zeca do PT está inelegível porque foi condenado em segunda instância no processo conhecido como Farra da Publicidade. O réu foi condenado por órgão colegiado em um suposto envolvimento do parlamentar em um esquema de facilitação para contratação de empresa de publicidade quando era governador de Mato Grosso do Sul (entre 1999 e 2006).

A administração do petista teria emitido notas fiscais forjadas para simular prestação de serviço publicitários que não ocorreram, o que teria lesado os cofres públicos em R$ 96.198.89. Zeca chegou a ter o caso arquivado pela Justiça, mas o Ministério Público do Estado apelou contra a decisão.

Em seu pedido o procurador pede a notificação de Zeca do PT para que ele apresente a defesa, a produção de todos os meios de provas admitidas em Direito, especialmente a juntada da prova documental em anexo e o indeferimento em caráter definitivo do pedido de registro de candidatura.

No processo do petista que tramita no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul foi anexado um Comprovante de Comunicação à Justiça Eleitoral informando a condenação por improbidade administrativa.

Fonte: Correio do Estado

O formato de embate direto entre os presidenciáveis prometia melhorar um pouco o grau de sonolência proporcionado pelo debate promovido pela RedeTV! e a revista IstoÉ. Não deu muito certo, os postulantes não buscaram fazer do círculo central um octógono de MMA.

A exceção ocorreu quando Marina Silva (Rede) deixou Jair Bolsonaro (PSL) sem resposta ao usar de sua condição de mulher para criticar as posições do deputado minimizando a desigualdade de oportunidade no mercado de trabalho. Ela o encurralou fisicamente, aproximando-se do candidato.

Ela ainda engatou uma réplica no campo em que o candidato transita, o dos evangélicos pentecostais, e buscou pespegar-lhe a pecha de intolerante com um questionamento maternal, falando de crianças. Isso mira apoiadores menos firmes de Bolsonaro; se funcionará quando explorado à frente, é outro ponto.

No geral, foi apresentado mais um ringue do Telecatch, o mítico programa de TV de lutas coreografadas do fim dos anos 1960. Ou seja, marmelada em perguntas sem agressividade e destinadas a dar o máximo de tempo para ambos os presentes a expressarem o que consideram planos.

Uma variante para adicionar colorido ao evento foi, como no debate da Bandeirantes na semana passada, a presença de Cabo Daciolo (Patriota). O candidato encarnou um pastor, com uma bíblia na mão e tudo, enunciando a palavra do Senhor praticamente a cada intervenção.

Daciolo é o resumo desse modelo de debate numa eleição fragmentada: apenas o histrionismo corta o bocejo, mas leva a questionamentos sérios sobre os limites da legislação que rege os debates. Oito candidatos não discutem, fazem autoelogios -ou pregação nonsense, no caso de Daciolo, talvez com a única exceção: quando disse que “tudo era um teatro”.

O irmão ideológico mais velho de Daciolo, Bolsonaro, teve um desempenho pior do que o zero a zero da semana passada. Além do episódio com Marina, enrolou-se ao falar de orçamento, demonstrando insegurança ao apelar aos indefectíveis “meus economistas”. Como na Bandeirantes, falou o que seus apoiadores fiéis e detratores queriam ouvir. Mais do mesmo.

Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) fizeram um ensaio de duelo sobre cobrança de impostos estaduais -um avanço na teoria, assim como uma certa prevalência de temas econômicos, mas expressado de forma ininteligível para o espectador.

No mais, ambos levantaram a bola um para o outro em diversas oportunidades. Cenas para serem exibidas, com o tom professoral, no horário eleitoral que começa no próximo dia 31.

Marina e Alvaro Dias (Podemos) fizeram a outra dobradinha propositiva da noite. Ambos estavam mais soltos do que na semana passada, falando de forma mais articulada. Marina também fez uma troca de amabilidades com Ciro, ambos ex-ministros do governo Lula que são.

De seu lado, Dias foi feliz também ao colar em Alckmin a imagem negativa de sua aliança com o centrão. O tucano, por sua vez, abandonou a defesa da necessidade de coalizão e insistiu na necessidade de uma reforma política, prova de que a vacina testada no primeiro debate não foi considerada eficaz em análise de sua equipe.

Também melhorou o desempenho Henrique Meirelles (MDB), embora o trabalho no campo da dicção e da clareza ainda esteja longe de resolver a questão. E colocá-lo na posição de inquisitor contra Bolsonaro, falando sobre direitos femininos, não funciona: o deputado usou o ex-ministro como escada. Marina foi muito mais incisiva, por motivos mais ou menos óbvios.

Meirelles protagonizou uma suave altercação com Guilherme Boulos, trocando ironias e sorrisos no centro do palco. O candidato do PSOL, aliás, abandonou a defesa de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que marcou sua apresentação na Bandeirantes. Apenas protestou, antes do começo do debate, pela ausência do púlpito vazio de Lula.

O petista, largamente ausente no debate anterior, foi citado aqui e ali. Reflexo da exposição que o registro de sua virtualmente inviável candidatura teve nos últimos dias. O alvo ali não era Lula, e sim Fernando Haddad, o poste indicado para tomar o lugar do ex-presidente.

As apresentações iniciais, que respondiam sem responder a perguntas atribuídas ao público, e as considerações finais apenas reforçaram o que cada candidato quer colar como sua marca. Alckmin, o preparado. Bolsonaro, a ruptura. Ciro, o homem do SPC. Dias, o defensor da Lava Jato. Marina, a compassiva. E por aí foi. 

Fonte: Folhapress

O Flamengo reclamou na tarde desta sexta-feira da convocação de Lucas Paquetá. Chamado por Tite para os amistosos contra EUA e El Salvador, em 7 e 11 de setembro, o meia deve desfalcar o Flamengo na primeira partida semifinal da Copa do Brasil, dia 12, contra o Corinthians.

Fomos prejudicados. Interferir no equilíbrio da semifinal da principal competição mata-mata do Brasil para disputar dois amistosos sem expressão é lamentável - reclamou o presidente rubro-negro, Eduardo Bandeira de Mello.

A CBF descartou adiar as datas das semifinais da Copa do Brasil por causa dos compromissos da seleção.

- Não respeitam nem a competição que organizam - disparou Bandeira de Mello.

O Flamengo estuda fretar um avião para levar Paquetá do amistoso da seleção para a semifinal da Copa do Brasil no dia 12. A preocupação é o jogador atuar 90 minutos e não ter condições físicas de jogo.

Além do Flamengo, Cruzeiro e Corinthians sofrerão desfalques. O time mineiro teve o zagueiro Dedé convocado, enquanto a equipe paulsita perderá o lateral Fágner.

As semifinais da Copa do Brasil estão marcadas para os dias 12 e 26 de setembro. Ainda haveria tempo para que os jogadores pouco utilizados pegassem um voo fretado, partido de Washington, na noite do dia 11, após o amistoso contra El Salvador, mas tal manobra parece pouco provável.

O Flamengo enfrentará o Corinthians em uma semifinal, enquanto a outra será entre Palmeiras e Cruzeiro.

Fonte: Extra

Pagina 9 de 956

Salvar

Template Settings

Theme Colors

Blue Red Green Oranges Pink

Layout

Wide Boxed Framed Rounded
Patterns for Layour: Boxed, Framed, Rounded
Top