Redação

Reajuste foi solicitado pela Energisa à Aneel

A Energisa MS solicitou que a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) conceda um reajuste de 15,75% na tarifa de energia elétrica dos consumidores atendidos pela concessionária. Até o dia 8 de abril a agência define o percentual a ser aplicado a partir desta data.

No pleito entregue à Agência no dia 12 de março, a empresa alega que o percentual se justifica em virtude dos encargos setoriais de 1,12%, compra de energia de 5,4% entre abril do ano passado até agora e receita requerida de 7,4%.

Ao apresentar uma planilha com os custos, a EnergisaMS afirma que “o efeito médio desse reajuste, a ser percebido pelo consumidor, deverá ser de +15,75%”, enfatizando que “todos os dados utilizados na construção do presente pleito foram colhidos junto à atual regulamentação setorial e ás áreas técnicas, comercial e contábil da empresa, com a memória de cálculo completa do reajuste”.

Com o pleito em mãos e mais informações das áreas técnicas da agência, os diretores da autarquia vão se reunir até o dia 5 de abril para definir o percentual de reajuste que começa a ser aplicado nas tarifas até o dia 8 de abril.

ABATIMENTO

Anteontem a Aneel informou que nos próximos reajustes serão abatidos do cálculo da tarifa percentual entre 3,7% e 4,1%.

É que em setembro será antecipada a quitação de empréstimo de R$ 21,2 bilhões feito com um pool de bancos, em 2015, para evitar um reajuste elevado nas contas de luz naquele período. Originalmente, a amortização do financiamento, que ocorre por recolhimento de taxas nas contas de luz, ocorreria apenas em abril de 2020. Com isso, os consumidores deixarão de pagar R$ 6,4 bilhões em suas contas de luz neste ano, o que deve reduzir as tarifas em 3,7%, em média.

Fonte: Correio do Estado

 

 

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou as primeiras buscas e apreensões no âmbito do inquérito sigiloso que apura ataques e divulgação de notícias falsas (fake news) contra os ministros da Corte nas redes sociais. Nesta quinta-feira (21), são cumpridos mandados nos estados de São Paulo e Alagoas.

Ontem (20), Moraes designou dois delegados para auxiliar na condução das investigações. São eles: Alberto Ferreira Neto, chefe da Delegacia Especializada em Repressão a Crimes Fazendários da Polícia Federal; e Maurício Martins da Silva, da Divisão de Inteligência da Polícia Civil de São Paulo.

Na decisão, Moraes disse que o inquérito tem dois alvos: o vazamento de documentos sigilosos e a suposta existência de um esquema de financiamento para divulgação em massa nas redes sociais de mensagens para “lesar a independência do Poder Judiciário e o Estado de Direito”.

A abertura do inquérito foi anunciada na quinta-feira (14) pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, no início da sessão plenária, quando Moraes foi definido relator do caso. A medida foi tomada após o Supremo ter sido alvo de manifestações sobre a decisão que definiu a competência da Justiça Eleitoral para julgar crimes de corrupção conexos a eleitorais.

PGR pede esclarecimentos
Na semana passada, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu esclarecimentos ao ministro Alexandre de Moraes. Segundo a procuradora, a portaria na qual a investigação foi instaurada não esclareceu quais pessoas devem ser investigadas. Além disso, cabe ao Ministério Público realizar tais investigações, e não ao Judiciário, ressaltou a procuradora.

Ao menos um ministro do STF, Marco Aurélio Mello, criticou publicamente a abertura do inquérito por inciativa da Corte. Para ele, caberia ao MP conduzir a investigação. Ele criticou ainda o fato de Moraes ter sido designado por Toffoli como relator, sem que houvesse sorteio entre todos os ministros do Supremo.

Entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e a Associação Nacional dos Magistrados do Trabalho (Anamatra) manifestaram apoio à abertura da investigação.

Fonte: Midiamax

 

 

Ele disse ter largado a Lava Jato por estar 'cansado de tomar bola nas costas'

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Sergio Moro topou largar a carreira de juiz federal, que lhe deu fama de herói pela condução da Lava Jato, para virar ministro da Justiça. Disse ter aceitado o convite de Jair Bolsonaro (PSL), entre outras coisas, por estar "cansado de tomar bola nas costas". Tomou posse com o discurso de que teria total autonomia e com status de superministro. Desde que assumiu, porém, acumula recuos e derrotas.

Na mais recente, o ministro viu seu pacote anticrime ser congelado no Congresso e entrou em conflito com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Maia desclassificou a proposta de Moro, o chamou de "funcionário de Bolsonaro" e disse que o ex-juiz está "confundindo as bolas".

Confira, abaixo, recuos e derrotas do superministro de Bolsonaro. DECRETO DAS ARMAS

Seu primeiro revés foi ainda em janeiro. O ministro tentou se desvincular da autoria da ideia de flexibilizar a posse de armas, dizendo nos bastidores estar apenas cumprindo ordens do presidente. Teve sua sugestão ignorada de limitar o registro por pessoa a duas armas -o decreto fixou o número em quatro

LARANJAS

No caso do escândalo de candidaturas de laranjas, enquanto Moro deu declarações evasivas, dizendo que a PF iria investigar se "houvesse necessidade" e que não sabia se havia consistência nas denúncias, Bolsonaro determinou dias depois, de forma enfática, a abertura de investigações para apurar o esquema

ILONA SZABÓ

Moro teve de demitir a especialista em segurança pública por determinação do presidente, após repercussão negativa da nomeação. Ilona Szabó já se disse contrária ao afrouxamento das regras de acesso a armas e criticou a ideia de ampliação do direito à legítima defesa que está no projeto do ministro

CAIXA DOIS

Por ordem do Palácio do Planalto, a proposta de criminalização do caixa dois, elaborada pelo ministro da Justiça, vai tramitar separadamente do restante do projeto anticrime

PROJETO ANTICRIME

Na última semana, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), travou o pacote anticrime na Casa ao determinar a criação de um grupo de trabalho para analisar a proposta e outras duas correlatas. Como o grupo tem o prazo de 90 dias para debater as matérias, a decisão de Maia suspende, na prática, a tramitação da maior parte do pacote.

Fonte: Noticias ao minuto

 

 

Mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da Justiça Federal do RJ

A Força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro prendeu Michel Temer, ex-presidente da República, na manhã desta quinta (21). Segundo informações do G1, os agentes ainda tentam cumprir um mandado contra Moreira Franco, ex-ministro de Minas e Energia.

Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

Desde ontem, a Polícia Federal tentava rastrear e confirmar a localização de Temer, sem ter sucesso. De acordo com o G1, ainda não está claro a qual processo se referem os mandados contra Temer e Moreira Franco. O ex-presidente Michel Temer responde a dez inquéritos.

Temer foi o 37º presidente da República do Brasil. Ele assumiu o cargo em 31 de agosto de 2016, após o impeachment de Dilma Rousseff, e ficou até o final do mandato, encerrado em dezembro de 2018.

Fonte: noticias ao minuto

 

 

Jakeline Destro trabalhou por 15 anos na administração municipal

Na noite desta quarta-feira (20), a funcionária da Prefeitura de Nova Andradina, Jakeline Destro de 34 anos, morreu em decorrência de uma parada cardíaca.

Segundo apurado, a servidora atuou 15 anos na administração pública e estava afastada há três meses, fazendo tratamento médico. Familiares e amigos lamentaram a morte de Jakeline nas redes sociais. O corpo será velado no velório municipal de Anaurilândia.
A Prefeitura de Nova Andradina emitiu uma nota de pesar na fanpage do Facebook, confira:

“Nossa querida servidora da Secretaria de Finanças, Jakeline Destro, faleceu nesta noite em decorrência a uma parada cardíaca.

Jake, que nos serviu durante 15 anos, colaborava também em nossa equipe de cerimonial. Há 3 meses, estava afastada para tratamento médico.

A Secretaria de Finanças e a Cogecom se solidarizam com seus familiares neste momento de profunda dor e consternação.

A saudade e as boas lembranças desta competente servidora e amiga nos acompanharão. Pra sempre!”

Fonte: Nova News

 

 

Pagina 11 de 1304

Salvar

 

 

Template Settings

Theme Colors

Blue Red Green Oranges Pink

Layout

Wide Boxed Framed Rounded
Patterns for Layour: Boxed, Framed, Rounded
Top